segunda-feira, 29 de setembro de 2014

NINGUÉM DESPERTA NINGUÉM!




O trabalho interior é pessoal, individual e intransferível. Nenhum guru ou mestre pode vos salvar, purificar, iluminar ou despertar. Quem afirma ou insinua que está fazendo um “trabalho” desta natureza é enganador e mentiroso. O máximo que alguém pode fazer é ajudá-lo a perceber esta verdade. ( Alsibar)

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

SOBRE O ESFORÇO E O NÃO-ESFORÇO


Meditar é um estado de não-esforço, de não-pensamento, de não-busca. Mas não é fácil para mente se fixar nesse estado. Daí dizer-se ser necessário  certo esforço para  entrar “nisso”. O problema é que –não fazer esforço de espécie alguma- representa um tremendo esforço para a maioria das pessoas. Para alguns chega a ser impossível. Acontece que nossas células, cérebro e corpo  são biologicamente orientados para o esforço contínuo. Observe os bebês em desenvolvimento- eles não param quietos. Tudo no corpo trabalha e se movimenta ininterruptamente. Nossa mente tende a seguir esse mesmo padrão.Daí ser tão difícil  a quietude, o não-movimento, a tranquilidade. Assim, não fazer esforço exige um esforço enorme por parte do corpo não acostumado ao estado de não-esforço. Para meditar é necessário "esforço" (atenção, dedicação, vontade , seriedade e energia) para chegar ao estado de completo "não-esforço" (cessação temporária dos movimentos do pensamento, corpo e respiração). Mais difícil do que o esforço é o não-esforço. (Alsibar)

sábado, 23 de agosto de 2014

SIMPLESMENTE OLHAR


É incrível como algo tão simples possa ser tão poderoso. Se aprendessêmos a olhar corretamente as coisas,  nossas vidas seriam fenomenais. Olhar para si mesmo, para as emoções, o corpo, os sentimentos, as reações, os pensamentos e o silêncio entre eles produz mudanças profundas e inesperadas. Isso não é uma técnica é uma mudança de paradigma, de ponto de vista, de consciência. É um refinamento da percepção. Se a forma de perceber as coisas muda, consequentemente as coisas percebidas também mudam. A  própria ciência moderna, através da Física Quântica comprova isso. Daí a importância não só do olhar- mas da lembrança do olhar. Muita gente não acredita que algo aparentemente tão banal possa realmente surtir  efeito. Mas não precisa acreditar- verifique por si mesmo. Assim, da próxima vez que sentir tristeza, solidão, saudade, raiva- ou qualquer outra emoção- aproveite para olhar para isso tudo de forma silenciosa sem esquecer de incluir os próprios pensamentos nessa observação . Fique simplesmente “olhando”- não com os olhos do corpo, mas com os olhos da mente e se surpreenda . Talvez você não tenha ideia do que um “simples olhar” é capaz. (Alsibar)

segunda-feira, 28 de julho de 2014

COMO ASSIM “ QUEM SOU EU?”




                                                 


Já diz o provérbio: pergunta errada, resposta errada. A pergunta “ Quem sou eu” é um desses exemplos. Ora, usando os pressupostos dentro da própria visão advaita: se não existe “ninguém aí” como pode haver alguém para perguntar? E muito menos para responder? No exato momento em que se cria uma pergunta, cria-se o perguntador. Resultando na necessidade de uma resposta. Todavia, tanto a pergunta  constitui apenas um pensamento de natureza mental- como também a busca pela resposta- e a própria resposta (caso houvesse uma).  Quando a mente silencia: como pode haver perguntas? E quando não há perguntas- todos os problemas, questões , inquietações e buscas desaparecem de um só golpe. Se o objetivo da pergunta é silenciar a mente por que não ir direto ao silêncio? Já dizia K. “os meios são os fins”. O barulho não pode levar ao silêncio. Apenas o silêncio leva ao silêncio. Ir direto à fonte do silêncio, onde não existem mais perguntas, nem respostas- nem ninguém para perguntar ou responder- me parece ser a atitude mais sábia, sensata e inteligente.  (Alsibar)


quinta-feira, 10 de julho de 2014

A LIBERTAÇÃO DA IDENTIFICAÇÃO




A identificação acontece quando  vivemos as coisas sem estarmos conscientes delas.  A desidentificação começa quando observamos a nós mesmos- emoções, pensamentos e sensações- com a mente silenciosa.  A identificação nos torna escravos , a observação silenciosa nos liberta. Ao nos desidentificarmos com o corpo e os pensamentos, algo interessante acontece: percebemos que não somos nenhum desses dois pois há algo que continua, que não é afetado por estas mudanças e fenômenos internos. Alguns chamam esse algo de consciência- mas mesmo esta palavra inadequada. Na verdade, o que somos não pode ser definido, nem descrito, nem nomeado, pois está além de todo pensamento e definição. (Alsibar)

domingo, 6 de julho de 2014

É POSSÍVEL SER INCONDICIONALMENTE LIVRE?




É possível viver nesse mundo de forma plena , harmoniosa e saudável ? É possível viver sem se isolar, amando a si mesmo e ao próximo?  É possível usar  o intelecto de forma eficiente e eficaz sem demonizá-lo, nem com ele se identificar?  Sem abrir mão  dos pequenos prazeres e da felicidade que a vida proporciona? Sem atacar ou ferir ninguém? É possível ser livre tanto do dualismo, como do não-dualismo ? É possível libertar-se do conflito, da tristeza, da dor e do medo da dor? É possível amar sem que o amor se torne uma prisão, um fardo para ninguém? É possível encontrar Deus na vida cotidiana, nas pessoas, na natureza, no trabalho e, principalmente, dentro de si  ? É possível ser INCONDICIONALMENTE LIVRE- mesmo vivendo em  meio às armadilhas e ilusões existentes no mundo?  É possível não depender de gurus- nem de ninguém, nem de nada- para ser livre e feliz? Sim…  a MEDITAÇÃO  possibilita tudo isso. (Alsibar)