terça-feira, 30 de abril de 2013

SOBRE OS PROBLEMAS E AS ADVERSIDADES



A palavra “problema” é que é o grande "problema". 

Dependendo da forma como se encara os reverses da vida, um problema pode deixar de sê-lo no exato instante em que a pessoa muda sua atitude face os desafios inerentes ao viver. Foi isso que mestres como Buda, Krishnamurti, Ramana e Nisarga descobriram- e ensinaram. 
A grande maioria dos problemas só existe na mente. 
Por exemplo: uma separação pode ser um problema para uma pessoa demasiadamente apegada e carente. Mas, para outra, mais madura e equilibrada, pode ser o começo de um novo ciclo e a chance de desenvolver novos potenciais . Uma demissão pode ser a oportunidade de arriscar-se em um novo projeto  mais criativo, satisfatório e promissor. Uma doença pode ser incapacitante por um lado, mas por outro representa também a oportunidade da pessoa se voltar para dentro, desenvolvendo aspectos mais  espirituais do ser. 
Transformar adversidades em oportunidades é uma arte difícil, mas qualquer pessoa pode e deve aprender.  Quase todos iluminados viveram episódios de grande sofrimento e decepção antes da explosão do Despertar. Isso comprova que qualquer adversidade por mais grave que seja, pode tornar-se numa oportunidade de crescimento e evolução espiritual.

 Assim, é possível afirmar que todo  problema reside na incapacidade da mente de se adaptar, de ressignificar, de transformar um episódio desagradável e negativo, em um momento de reflexão e amadurecimento interior. A gravidade de um problema é proporcional à intensidade do desejo, da ilusão, da ignorância e da inflexibilidade do espírito diante da natureza fugaz, instável  e mutável  da vida.
Se  você está com algum problema, resolva. Se a resolução não depende de você, aguarde. Se é algo inevitável, resigne-se. Se precisa de um milagre, ore… mas lembre-se que a Vontade Divina nem sempre se dobra às orações e súplicas. Além do mais não é prudente pelejar contra a Sabedoria Divina que sabe o que precisamos antes mesmo de pedirmos. Por isso a melhor atitude é sintonizar-se com a vontade Soberana, sentindo no coração o que Jesus nos ensinou: “fazei Vossa vontade assim na Terra como no Céu.” (Alsibar).

domingo, 28 de abril de 2013

MORTE: A DIFÍCIL LIÇÃO DA SEPARAÇÃO



A carta da morte não significa apenas a morte física- simboliza também as separações e os términos de ciclos. É como um capítulo que termina, para que outro possa começar. No caso dos relacionamentos, muita gente tem dificuldade de entender que há momentos em que a distância e a separação são fundamentais. Essa distância faz-se necessária para que o amor, o carinho,  o respeito, a consideração e a amizade  possam continuar. Separar-se não significa deixar de gostar de alguém. Mas há momentos na vida que o distanciamento é essencial para que o indivíduo possa se conhecer, amadurecer, desenvolver potenciais  e redirecionar sua vida.  Se este final será doloroso, tranquilo ou triste depende do grau de maturidade do próprio indivíduo.
  
Assim como os “finais” não precisam ser infelizes, o “Final feliz” não significa necessariamente “ficar junto até o final da vida”. Outrossim, o que importa é que todos estejam felizes com a decisão tomada e se esta beneficiará ambos os lados. A dificuldade nesta horas  é desapegar-se do passado e de tudo que ele representa. É aí que constatamos se  os anos de prática de meditação serviu para alguma coisa ou se foi apenas uma confortável fuga à realidade. Na última hipótese, cairão todas as máscaras e ilusões diante da realidade inexorável. É também um momento valioso para se autoconhecer, testando reações e atitudes diante de situações  em que o desapego e a serenidade mental são extremamente necessários.  (Alsibar)

sábado, 27 de abril de 2013

“ ORAI E MEDITAI”



Apesar desta não ser a frase original de Jesus, muitos acreditam que o termo “vigiai” tem uma conotação bastante ampla , indo além do simples cuidado para não pecar ou “cair em tentação”. Vigiar para os budistas é ficar alerta, atento como um sentinela que guarda a guarita, ou o pai de família que vigia, pois não sabe o dia e a hora que o ladrão virá. Assim, o termo “vigiai”, pode ser entendido como uma exortação ao estado de Atenção Plena ou Meditação. Compare com o que Buda disse:

 "A vigilância é o caminho que leva à libertação da morte. Os vigilantes não morrem; os negligentes já são como os mortos. Quando, graças à vigilância, o sábio repudia toda negligência, eleva-se até a morada do Conhecimento, e aí, feliz e prudente, com o mesmo olhar daquele que, sobre a montanha, vê os que estão na planície, enxerga a turba aflita e ignorante”. 

Já a oração é quando o pensamento se eleva às forças ou dimensões superiores, conseguindo desta forma mover as montanhas das dificuldades, do medo, da tristeza e desesperança. Orar não é pedir, mas conectar sua vontade à Vontade Divina e de lá produzir “milagres”- ou não-pois o  homem deve submeter sua vontade ao poder Supremo e não o contrário. Deixar que o Poder Supremo conduza e dirija sua vida é uma sábia atitude pois quem senão Ele pra saber o que é melhor pra nós? O ignorante quer impor sua vontade à Deus (Tao) mas o sábio entrega-se à sua vontade encontrando, assim,  a prosperidade, a paz  e a felicidade. (Alsibar)

quinta-feira, 25 de abril de 2013

A TEMPERANÇA



No Tarô Mitológico é representada por Íris- a Deusa do Arco-Íris que simboliza a promessa de renovação no relacionamento através do fluxo incessante dos sentimentos. Íris é ambivalente pois em seu aspecto positivo indica a necessidade da cooperação e harmonia,  mas em seu aspecto negativo ela alerta-nos sobre o perigo do “suportar tudo” em prol do relacionamento.Íris também pode significar estagnação e paralisia, pois se não há conflito,  separação ou diferença, o indivíduo não pode crescer, amadurecer e evoluir. Por ser sempre guiada pelo coração Íris precisa de Atena- a deusa da Justiça- para lhe trazer a luz da razão com a qual poderá encontrar o equilíbrio entre os dois. Íris nos lembra que “tudo demais é veneno”- inclusive o sentimento. Este, quando exagerado, torna-se um mero sentimentalismo piegas, que muitos confundem com Amor. Mas será que é? (Alsibar)

segunda-feira, 22 de abril de 2013

O MAGO: A INTUIÇÃO



Conhecido também como voz interior, anjo da guarda, espírito santo, eu superior ou  daimon- dependendo da cultura ou tradição religiosa- o mago  representa aquela parte desconhecida dentro de nós que surge das profundezas do inconsciente como um sinal de alerta, orientação ou aviso. O problema com o mago é que suas orientações nunca são claras. Assim, o pensamento racional o despreza ou simplesmente não dar-lhe a devida atenção e importância. 

O Mago é aquela parte de nós que antevê o perigo futuro e dá o alerta, em geral através de sonhos, pressentimentos, coincidências ou estranhos sinais. Infelizmente, quase nunca o ouvimos  e só nos lembramos dele quando os fatos  confirmam o que já havia sido pressentido com bastante antecedência. É nessa hora que vem o pensamento: “ Por que não ouvi minha intuição?”. Apesar de haver situações inevitáveis, o Mago surge para nos lembrar que é hora de ouvir a voz interior, de forma a reduzir prejuízos e evitar maiores sofrimentos -antes que seja tarde demais. ( Alsibar)

domingo, 21 de abril de 2013

SABEMOS O QUE É O AMOR?



"Sabemos nós o que é o amor? Conhecemos a sensação, a emoção, o desejo, o sentimento e o processo mecânico do pensamento, mas nada disso ainda é o amor. Dizemos amar nosso marido, nossos filhos; odiamos a guerra ao mesmo tempo que a exercemos. Nosso amor contém o ódio, a inveja, a ambição e o medo; porém isso não significa amar. Admiramos o poder e a fama, esse mal que corrompe. O amor é o desconhecido com sua extraordinária beleza.
Viver nesse desconhecido não equivale a permanecer na dúvida ou cair no desespero. É morrer para o passado e, portanto, viver na total incerteza do amanhã. O amor e a morte desconhecem a continuidade. Somente a memória e o  quadro na parede tem continuidade, mas isso, como acontece em todas as coisas mecânicas, produz desgaste, dando lugar a novos quadros e memórias. Continuidade é deterioração, e esta não contém a morte. O amor e a morte são inseparáveis e definitivos em sua ação revolucionária”. Jiddu Krishnamurti- Diário de Krishnamurti.

sábado, 20 de abril de 2013

CUIDADO COM O QUE VOCÊ DESEJA...



Dependendo do caso e da forma como se lida com as situações, uma “graça” pode tornar-se uma desgraça. A mídia mostra todos os dias exemplos disso: o filho/filha que matou os pais pra ficar com a herança, a “amada” que matou o milionário ganhador da loteria, a esposa que assassinou e esquartejou o poderoso empresário, o senhor que morreu do coração logo depois de saber que ganhou uma causa milionária na justiça. Por isso, antes de desejar ou pedir alguma coisa lembre-se do sábio provérbio: “cuidado com o que você deseja, você pode conseguir!  (Alsibar)

AS EXPECTATIVAS




A expectativa é irmã da frustração, por isso é tolice alimentar expectativas em relação ao futuro, pessoas ou acontecimentos. O verdadeiro sábio não alimenta expectativas de espécie alguma. Nisso consiste sua paz e fortaleza. Não ter expectativas não significa não ter esperanças. Enquanto a expectativa resulta do desejo de que algo aconteça, a esperança nasce da compreensão das leis da vida e da fé no Poder Superior que governa todas as coisas no Universo.( Alsibar)

terça-feira, 16 de abril de 2013

O QUE É MEDITAÇÃO?



Meditação nada mais é do que a re-descoberta do estado de consciência pura no qual vivíamos  quando éramos criancinhas. Os budistas chamam isso de natureza búdica, Ramana e UG chamaram de “estado natural”, Krishnamurti chamou de Sagrado, Atemporal, Desconhecido. Jesus refere-se a este estado quando afirma figurativamente que quem não se tornar igual as criancinhas não entrará no Reino dos Céus. E onde estará este reino? Ele mesmo responde: “O Reino de Deus está dentro de vós”(Lucas 17:21) Por isso que meditar não é “fazer”, nem “praticar” é simplesmente perceber o “céu” que já existe aí enquanto natureza essencial, intrínseca a todos os seres humanos. ( Alsibar)

Compare: “A paz é o seu estado natural. É a mente com seus pensamentos que obstrui o estado natural.” Bhagavan Sri Ramana Maharshi (30 de dezembro de 1878 — 14 de abril de 1950.

“Meditação é o silêncio absoluto da mente. Somente nesse silêncio total, completo, incorrupto, repousa o que é verdadeiro, que vem do Infinito para o Infinito” Jiddu Krishnamurti. Bombaim- 5 de fevereiro de 1982



domingo, 14 de abril de 2013

O ESTADO NATURAL- The Natural State



“Qualquer coisa que você faça na busca pela Realidade ou Verdade leva você para longe do  estado natural no qual você sempre está. Não é algo que você possa adquirir, atingir ou realizar como resultado de um esforço. Tudo que você faz impede a expressão “daquilo que já existe aí” de expressar-se a si mesmo. Por isso que eu chamo isto de “estado natural”. Você está sempre neste estado. O que impede aquilo -que está aí- de expressar-se a si mesmo à sua maneira, é a busca. A busca está sempre na direção errada. 
Assim, tudo o que você considera muito profundo, tudo o que você considera sagrado é uma contaminação naquela consciência. Pode ser que você não goste da palavra “contaminação”, mas tudo o que você considera sagrado, santo ou profundo é uma contaminação. Não há nada que você possa fazer, não está em suas mãos. Isto é algo que não posso dar-lhe por que você já o tem. É ridículo pedir por algo que você já tem. Não existe nada para se receber de ninguém. Você tem o que eu tenho. Eu digo: você já está lá.” UG Krishnamurti- do livro “ The Natural State”- Tradução: Alsibar

sábado, 13 de abril de 2013

A ILUSÃO DO AGORA



Uma expressão que se tornou cliché entre gurus, espiritualistas e livros de autoajuda  é "a importância do agora", "viver o agora", "observar o agora" , "o poder do agora" etc.  Ficar consciente do aquiagora é uma das coisas mais difícies que existem. Muita gente se esforça para fazer isso mas os resultados, em geral, são pífios e desanimadores. A meu ver há aí uma falha de interpretação ou comunicação . A divisão do tempo em passado, presente e futuro é ainda uma concepção mental limitada, condicionada e relativa.  Se não existe passado, nem futuro, tampouco existe o presente. Quando a mente supera as concepções do tempo e dele se liberta resta apenas a eternidade- que está além do ontem, do amanhã, e do agora. (Alsibar)

sexta-feira, 12 de abril de 2013

OBSERVAR SEM CONCEITUAR



É  muito difícil libertar-se do vício da conceitualização pois a mente tem a péssima mania  de conceituar tudo o que atravessa seu campo de percepção. Desta forma, até mesmo o não-conceito torna-se apenas mais um conceito. Fica-se, então, preso a um dilema. A conceitualização deveria se limitar a questões puramente racionais do campo da lógica, conhecimento, linguagem e comunicação. Mas para perceber “aquilo que é” o conceito não é  necessário constituindo, na verdade, um empecilho. O desafio é tornar-se capaz de perceber tudo sem conceituar nada, usando este recurso de forma prática e funcional. Depois do uso, a mente conceitual deveria ser deixada em "standby" para ser usada apenas quando houvesse extrema necessidade. (Alsibar)

quinta-feira, 11 de abril de 2013

COMO SILENCIAR A MENTE DE FORMA NATURAL



Não tente parar os pensamentos através do conflito, esforço , ou qualquer outro método . Simplesmente deixe de produzi-los. Eles continuarão ocupando espaço em sua mente ainda por um bom tempo, pois foram cultivados no passado. É como uma plantação de ervas daninhas que não podem ser arrancadas sob pena de estragar a plantação. A estratégia correta é não regá-las mais. Ao deixá-las desprovidas de água e adubo, elas morrerão por si mesmas pois não terão mais o combustível que as mantém vivas. Com os pensamentos a estratégia é a mesma. Sua energia vital vem da atenção,  do conflito e do medo.  Ao cessar de dar-lhes atenção – que é seu principal combustível- eles vão aos poucos definhando, até sua total extinção. (Alsibar)

VIAGEM AO CENTRO DO HOMEM




Viajar pelo mundo percorrendo vários lugares desconhecidos é algo maravilhoso. Mas nada se compara à exploração daquilo que existe no interior do homem. Assim como há muito a se conhecer do Universo e, até mesmo dos oceanos, há também muita coisa inexplorada dentro de cada pessoa. Viajar e conhecer essas dimensões internas é,  talvez, o maior dos desafios- maior do que a própria exploração do  universo  . Enquanto a exploração do universo físico traz grandes benefícios para a comunidade científica, o conhecimento de si é benéfico tanto para o indivíduo quanto para a humanidade como um todo. (Alsibar)

quarta-feira, 10 de abril de 2013

DO CARMA À CALMA




O pensamento é uma reação. Ao reagir a um pensamento, cria-se outros pensamentos e o processo continua como um efeito dominó. Para quebrar esta cadeia é preciso  ver todo esse processo (estar consciente) e não reagir a ele. A cadeia interna de causa e efeito começa a ser desmontada e com ela quebra-se também a cadeia do sofrimento, também chamada de Carma ou Sansara.( Alsibar)

terça-feira, 9 de abril de 2013

DA FLORESTA SOMBRIA AO PARAÍSO DE LUZ



Imagine a mente com seus pensamentos como sendo uma densa floresta escura e úmida. Para atravessá-la você terá que acompanhar qualquer facho de luz que por ela penetra. Fixando delicadamente sua atenção na luz e deixando de se preocupar com a floresta, ela por si mesma desaparecerá e em seu lugar surgirá um lindo vale paradisíaco- exatamente como nos contos de fada. O paraíso sempre esteve aqui, mas por causa das sombras da ignorância os olhos não conseguem vê-lo. Daí a importância da meditação. Meditar é voltar sua atenção ou consciência para o espaço ou intervalo existente entre um pensamento e outro. Não se preocupe com a floresta sombria, ela só existe na sua mente. Com o despertar da sabedoria, que vem com o autoconhecimento, descobre-se que nunca saímos do céu,  paraíso ou Reino de Deus . Toda viagem pelo sombrio vale da escuridão e do medo foi apenas uma ilusão, um sonho, um pesadelo. (Alsibar)

segunda-feira, 8 de abril de 2013

O HOMEM SÁBIO I



O homem sábio transforma os “carmas” e provações em lições e oportunidades de autoconhecimento, reorientando sua consciência e percepção que por sua vez redirecionarão suas atitudes e finalmente os rumos de sua vida. Isso não algo que se produz deliberadamente através de práticas, esforços e métodos. É apenas o resultado de uma percepção profunda da natureza das coisas que começa por si mesmo. (Alsibar)

A ILUSÃO DO CONTROLE



Saber que não controlamos nada na vida, nem no universo, pode ser amedrontador pra muita gente. É esse medo que cria a ilusão da permanência , segurança e domínio. Abrir mão do controle significa deixar que as coisas fluam e sigam seu próprio movimento e curso. Muitos chamam isso de sabedoria. Mas é também um ato de fé, coragem e renúncia. Abandonar o controle é colocar o ego em seu devido lugar. Abrindo caminho para uma nova consciência de paz, harmonia, plenitude e liberdade. Ao contrário, tentar controlar o que é por natureza incontrolável , traz decepções, tristezas e sofrimento. ( Alsibar)

sexta-feira, 5 de abril de 2013

NÃO FUJA DA DOR!




O temor à dor – emocional ou psicológica- é uma das principais causas do sofrimento. Ao fugir da dor, o sujeito cria mais sofrimentos através da fuga de situações que possam lhe parecer desagradáveis ou dolorosas.
 Quando, ao invés de fugir, enfrenta-se a dor sem medo ou receio descobre-se seu significado profundo. E , de repente, surge o percebimento e a compreensão : o bicho não era tão feio ou feroz quanto se imaginava. 
Na verdade, o medo da dor intensifica-a mais ainda, enquanto o enfrentamento, o olhar  sem medo para a ferida,  revela toda sua natureza fazendo com que ela cesse ou seja transformada  em bálsamo. A dor é como uma sombra que pode ser dissipada pela luz da consciência. Isso não é uma espécie de crença. É algo para ser vivido e comprovado de forma direta . 
Faça como eu, ao invés de concordar ou discordar, experimente e comprove por você mesmo! (Alsibar)

quinta-feira, 4 de abril de 2013

SOBRE O "ESTADO DE PRESENÇA"



O  “estado de presença” ensinado por Ramana e agora usado por profissionais da área do Coaching e PNL – não é algo que se pode produzir de uma forma intencional e deliberada. Não se pode praticar o estado de presença pois é uma dimensão além do campo de atuação da mente, do tempo e do pensamento. E então, o que nos resta fazer? Nada. A mente deve aquietar-se de forma natural e espontânea como resultado do não-esforço ( wu-wei) . Qualquer tipo de esforço ou movimento impede ou dificulta a manifestação desse estado abençoado. (Alsibar)

terça-feira, 2 de abril de 2013

O SEGREDO DA TELEPATIA


                                                           

“Os pensamentos nada mais são que vibrações sutilíssimas movendo-se no éter. (…)A intuição, que é o guia da alma, surge com naturalidade no homem, nos instantes em que a mente se acha calma. Quase todos já tiveram a experiência de um pressentimento inexplicavelmente correto, ou transferiram seus pensamentos com exatidão a outra pessoa.

A mente humana, quando liberta das perturbações ou da “estática” da inquietude, tem o poder de realizar todas as funções dos complicados aparelhos de rádio - enviando e recebendo pensamentos ou deixando de sintonizar os indesejáveis. Assim como a potência de uma estação radiodifusora é regulada pela quantidade de energia elétrica que pode utilizar, a eficiência de um rádio humano depende do grau de força de vontade de cada pessoa.

Todos os pensamentos vibram eternamente no cosmos. Por meio da concentração profunda, um mestre pode descobrir os pensamentos de qualquer pessoa, viva ou morta. Os pensamentos têm raízes de universalidade e não de individualidade; uma verdade não pode ser criada, mas apenas percebida. Todo pensamento errôneo de um homem resulta de uma imperfeição, pequena ou grande, em seu discernimento. O objetivo da ciência da ioga é acalmar a mente, de modo que, sem distorções, esta possa ouvir o conselho infalível da Voz Interior.”

Paramahansa Yogananda – Autobiografia de Um Iogue

Self-Realization Fellowship

segunda-feira, 1 de abril de 2013

O SEGREDO DA ALQUIMIA



A alquimia não tem nada a ver com fenômenos de natureza física.  O segredo da alquimia é que ela está relacionada a um processo de transmutação da química profunda ou energias sutis  da máquina humana. Transformar metais comuns em ouro nada mais é do que uma metáfora. Os metais comuns são os sentimentos grosseiros tais como tristeza, decepção, angústia, sofrimento, raiva , ciúme, inveja, mágoa, ressentimentos etc. O fogo que transforma esses metais é o fogo da Consciência ou Meditação. Ao meditar, essas energias grosseiras  são  misteriosamente transmutadas em elementos mais puros e nobres tais como Paz, Amor , Bem-Aventurança, Força , Luz e Sabedoria. Quanto mais intensa for a Consciência maior será a Luz. Quado este processo é intensificado até o “ponto  máximo de ebulição”  acontece o fenômeno do Despertar, que alguns chamam de Kundalini , Consciência Cósmica, Iluminação etc- mas que no fundo são a mesma coisa. (Alsibar)